Bianca Bracho -->

As 12 piores coisas que me aconteceram morando em Buenos Aires

Olá pessoal!
Esses dias li um texto que me fez pensar em muitas coisas, óbvio morar em outro país tem suas coisas maravilhosas, mas gente...também tem as coisas não tão boas que acontecem e vou contar pra vocês.
Alguns vão rir e outros vão ficar mais atentos:


  1. Alugar um apartamento e descobrir que estava com uma infestação de barata: logo eu que sempre tive pavor. Vou resumir essa história, óbvio ahaha porque não é tão simples. Eu quando cheguei morei em um hostel durante 1 mês e meio, porém precisava de um apartamento para poder trazer o Pupi. Entao achei um com um preço interessante e próximo do hostel que eu vivia antes. Adorei o apê e aparentemente estava perfeito. Quando me mudei e pude analisar com mais detalhes, percebi que as terríveis baratinhas minúsculas estavam por toda a parte...logo eu que nunca havia matado uma barata ahhhahaa cheguei a matar 15 por dia. Falei com o dono, mandamos detetizar, mas parecia uma coisa, melhorava por um tempo e depois elas voltavam com força total. Depois descobri que o que acontecia era que como o prédio era muito antigo, elas passavam pelos canos e passeavam por todos os apartamentos. Não adiantava manter o apê limpo ou detetizar...porque o problema estava generalizado.
  2. Trabalhar uma semana entregando folhetos: parece meio tonto, mas eu por não querer ficar sem fazer nada quando vim morar aqui, vi um anúncio em um subway de que precisam de gente para entregar folhetos, então decidi ir e falar que eu gostaria. Essa experiência durou uma semana. Passei a valorizar muito esse trabalho, porque entendi como é ser invisível para o mundo. As pessoas simplesmente te ignoram, você não existe, algumas até agradecem outras nem te veem...serviu como experiência, mas é um trabalho que requer muita resiliência.
  3. O dia que peguei uma blusa e encontrei uma aranha imensa: vai por mim, em SP já tinha visto aranhas, mas daquelas tão pequenas que pareciam formigas ahahhah quando vi essa quase tive um infarto, nao me mexi e peguei a primeira coisa que vi para matá-la hahhahhaa.
  4. Pedir comida sem ler o cardápio atentamente: essa nem foi tão ruim, mas eu acabei pedindo sorrentinos com calabaza (abóbora) e por não ler quando pedi, quase passei mal ahhaaha detesto comidas agridoces hahahaaha então foi uma experiência muito ruim, ainda mais porque foi em um lugar caro e nem aproveitei.
  5. Ser furtada: é meus bens, fui furtada no ônibus, estava lá dormindo tranquila, quando acordei para ver que horas eram e nesse momento um trombadinha arrancou o meu celular da minha mão. Fiquei em choque e só consegui gritar. Por isso, não fique mexendo no celular no ônibus, fiquem atentos sempre, porque Buenos Aires te dá aquela falsa sensação de segurança e você vai pensar que nada te acontecerá, mas acontece.
  6. O dia que o Pupi foi atropelado: sai de casa para levar o Pupi para o seu banho como de costume, quando de repente ele fica com medo na porta do veterinário e sai da coleira e corre para a rua, nunca senti o que senti naquele momento. Parecia que estava tudo acontecendo em câmera lenta, perdi o chão. Ele tão forte se levantou e foi correndo e todos da rua também sairam correndo atrás dele para me ajudar e por incrível que pareça ele só parou de correr quando chegou na porta de casa. Ele não se machucou muito, mas senti um aperto no meu coração e nunca mais levei ele nesse veterinario. Até hoje ele pede para atravessar a rua antes desse lugar. Quem tem animal pode imaginar como me senti, só de lembrar já me aperta o coração.
  7. Uma semana sem luz e água: sim gente, aqui no verão em algumas regiões fazem alguns cortes de luz e com isso a água também é cortada. Imagina a situação, quando aconteceu isso morava no 10 andar. Tinha que subir para levar o Pupi para passear e também quando voltava do trabalho. E não acaba por ai, tive que pedir para amigos para tomar banho na casa deles, já que essa possibilidade não existia na minha casa. E todos os problemas que a falta de luz e água podem gerar. Graças a Deus hoje moro em um quarteirão que dificilmente fica sem luz e quando acontece são por poucas horas. Amém!!
  8. Vários foras: Acreditem se quiserem, mas nunca levei tanto toco como aqui. Me acostumar a maneira porteña de ser foi e é muito difícil. Minha experiência nem sempre foi das melhores e por muito tempo me senti horrível por isso. Qualquer comentário meu, afastava eles, mais e mais. Muita gente tem sorte nesse quesito, mas eu infelizmente não tive. Conheci meus piores lados com tanto tocos. Acredito que uma das partes mais dificeis de se morar em outro país é se acostumar com a cultura local nesse sentido. Mesmo que você pense "eu mudar minha forma de ser por causa dos outros?" NUNCA hahaaha desculpa, mas voce vai acabar percebendo que a abordagem com um brasileiro nao é  a mesma de com um argentino. Somos muito afetivos, gostamos de mandar mensagens, receber, se estamos interessados até fazemos um pouco de joguinhos, mas aqui é assim...se voce mandar mensagem...está apaixonada. Se nao mandar, esta desinteressada e por ai vai (é a minha opiniao).
  9. Quando acontece qualquer problema voce estará sozinho: é difícil lembrar os nomes dos lugares que podem te ajudar, voce não sabe o número da emergência, da polícia, de quem pode te dar uma mão quando algo ruim acontecer, tudo isso você aprende com o tempo e vai por mim...no desespero, você não vai se lembrar bem.
  10. Fazer um exame médico difícil e não ter ninguém para me acompanhar: Mesmo tendo amigos, nada se compara com a família. Não é fácil, quando tive que fazer um exame complexo quis chorar quando sai da clínica, aquilo me pareceu tão horrível, estar sozinha.
  11. Fazer amizades e acreditar nas pessoas erradas: quando se está sozinho em outro lugar a tendência é acreditar mais nas pessoas que se aproximam, afinal, você esta em um lugar diferente e vai pensar que as pessoas vão se solidarizar com você, mas nem sempre é assim. Eu tive uma amiga aqui logo quando cheguei e ela me ofereceu para dividir um apê com ela. Quando chegou na hora de assinar o contrato, ela simplesmente falou que eu deveria fazer como qualquer outro estrangeiro. Conseguir com o meu próprio esforço e ela deu pra trás. Acabei tendo que arrumar um apartamento em tempo recorde para nao ficar sem casa.
  12. Passar 2 meses sem gás: sim meus bens, também já fiquei sem gás em casa. O dono me empestou um fogao eletrico e o chuveiro por sorte era eletrico também, mas era bem complicado cozinhar em uma única boca de fogão e em uma lentidão sem tamanho. Ele arrumou essas possibilidades para que eu nao ficasse na mão, porém foram 2 meses complicados.


Gente, essas foram as que lembrei, mas é bem provável que eu me lembre de outras tantas.
Na hora que acontecem certas coisas, nao entendemos bem o porque...mas acredite em mim. Só vai te fortalecer cada problema.
E um dia escreverei sobre as melhores coisas que me aconteceram morando aqui, até porque não faltaram momentos felizes.

Beijos Beijos

Sobre voltar para o Brasil

Oiii gente, tudo bem?


Dessa vez decidi escrever sobre algo que sempre penso, mas que até hoje ainda não tive coragem.
Mesmo tendo vivido a minha vida toda no Brasil a incerteza sobre ficar ou voltar me assombra sempre.


Passados 2 anos e alguns meses aqui, sempre me vem essa ideia sobre voltar para o Brasil, porém a indecisão me toma por completo. Ora quero ficar aqui e ora quero voltar.
O que acontece é que sempre que rola um problema o primeiro lugar que quero estar é na cia da minha família, na minha casa de lá, porém, quanto mais tempo se passa longe do país, mais você se habitua com o novo lugar.


Apesar de todos os porens, Buenos Aires se tornou minha casa durante todo esse tempo, lutei com todas as minhas forças para fazer dar certo, arrumei trabalho, fiz grandes amizades, conheço meus vizinhos, a moça do pet shop, o açougueiro, a senhora do sacolão, consegui finalmente uma casa que tem cara de casa e que sinto vontade de arrumá-la como sendo minha.


Ao mesmo tempo que morar em outro lugar te dá inúmeras possibilidades, sempre penso sobre onde é o meu lugar, provavelmente outras pessoas tenham essa mesma sensação e compartilhem do que estou passando, outros acharão que é frescura e que do mesmo jeito que vim posso voltar.


Pensando nos pontos a favor da minha volta:


  • Família;
  • Amigos de toda a vida;
  • Não ter que passar perrengues (é bem provável que eu esteja enganada);
  • Não pagar aluguel;
  • Não perder mais momentos importantes com as pessoas que amo
  • Voltar para a minha zona de conforto


Pontos a favor de continuar morando em Buenos Aires:

  • Continuar aprendendo sobre uma nova cultura
  • Minhas novas amizades
  • Novas oportunidades profissionais (que no Brasil eu não conseguiria)
  • Oferta de cursos com excelente custo/benefício
  • Liberdade
  • Me identifico mais com o idoma e música
O grande fato mesmo é que sempre que volto, me sinto super amada pela minha família e amigos, porém nao sinto mais que faço parte de São Paulo, nao gosto mais de ver quanto as pessoas curtem viver de aparencias ou falar sobre quantas coisas possuem...sei que estou generalizando, mas muita gente em São Paulo só sabe ostentar e na verdade vivem bem pouco pensando nas próximas aquisições. Eu sempre volto e penso, como seria a minha volta? Levar tudo para casa, me apertaria no meu quartinho na casa dos meus pais, tiraria a paz dos meus pais que voltariam a se preocupar muito, incluiria o Pupi novamente na rotina deles, teria que seguir certas regras, teria que arrumar um emprego, começar do 0 com muitas coisas, mas também poderia me dedicar mais aos meus projetos pessoais como o blog por exemplo, poderia encontrar algo que me completasse e até poderia voltar a viver a vida como eu vivia antes com a cabeça que tenho hoje.

Em 2 anos e pouco aqui eu mudei tanto, que nem eu mesma consigo me entender.
 
Ps: Alguém já teve essa experiência de voltar para o Brasil e que queira compartilhar?

Na verdade a vida é muito curta para ficar com tanto medo e com tantas preocupações, mas de fato não saber o que fazer tem me tirado o sono.

Beijos Beijos








O meu verao - Projeto fotográfico 9on9

Oi meus bens!
Tudo bem com vocês?
Como prometido no post anterior, o post de hoje é sobre o meu verão. Assim como eu, as outras blogueiras participantes do projeto fotográfico, também divulgaram sobre o verão delas, se você ficou curioso, dá uma olhadinha no blog delas, vale muito a pena!

Vou contar pra vocês, sobre o meu verão...

Primeiro de tudo, eu amo as estações bem definidas e moro no lugar perfeito para entender bem que as estações não são somente verão ou inverno hahhah

Antes de tudo, quero explicar pra vocês que aqui em Buenos Aires o clima é úmido, bem úmido na verdade rsrsrs chegando a temperaturas de 38 graus com sensação térmica de 1000 graus na sombra hahaahahaha parece exagero, mas quem já veio ou mora em Buenos Aires sabe do que estou falando.




As melhores fotos que representão o meu verão são as seguintes:




Brunch do Pain Quotidien - Buenos Aires
Nada melhor do que um Brunch, porque o verão deixa a gente com aquela preguicinha e o Pain Quotidien tem opções bem refrescantes para essa época do ano que demanda tanto de cuidados com a alimentação e que te ajudam também a se manter hidratada(o).

Beco do Batman - Sao Paulo
Que lugar incrível, todo colorido e as fotos tiradas ai tem uma certa magia confesso.


Avenida Paulista - São Paulo
Meu lugar favorito em São Paulo

Masp - São Paulo





Passeio com o Pupi no Parque Lezama
Shopping Center 3 - Avenida Paulista

Congreso em Buenos Aires, onde todas as decisoes polítias da Argentina sao tomadas.

Aproveitei para atualizar meu mural, tirei a madeira que tinha no meu mural e fiz esse novo com barbante.

Feirinha de San Telmo - Buenos Aires






Bom gente, essas sao as minhas fotos, espero que gostem!



As outras blogueiras participantes são as seguintes:


Alice Andrade - http://www.pensamentosvoados.com.br/
Dayane Frazão - https://intercachos.blogspot.com.br/
Joice Souza - http://espacodicas.com.br/
Ketlen Aires - www.ketlenaires.com
Marina Brum - http://www.caminhosparaoz.com.br/
Tatiana Souza - www.saltoebatom.com.br
Thais Oliveth - https://blogdathaoliveth.blogspot.com.br/
Thayama Matos - https://blogadaptadoo.blogspot.com.br/


10 coisas que mais gosto em Buenos Aires

Oii gente,
Resolvi dessa vez, escrever sobre as 10 coisas que mais gosto em Buenos Aires:


  1. A vida noturna: você encontra vida noturna todos os dias, as pessoas sempre estão afim de sair de segunda a segunda. Bares e baladas sempre abertos e uma infinidade de opções para aproveitar. Ficava muito surpresa quando caminho em plena terça-feira e vejo bares lotados.
  2. Ônibus 24 horas: o ônibus aqui funcionam 24 horas, então se você tiver que voltar da balada, sempre encontrará, além de não ser obrigada a ficar até o horário que volta a funcionar, te permite ir e voltar de qualquer lugar a qualquer hora. A frequencia dos ônibus talvez diminua, mas mesmo assim, é muito efetivo.
  3. Cafeterias: esse item é um dos que mais gosto na verdade, a diversidade de cafeterias é incrível, as pessoas tem o hábito de sair para tomar café ou merendar. Você encontra desde cafeterias históricas (cafés notaveis) até cafeterias mais modinhas, podendo encontrar também uma variedade de produtos e preços.
  4. Cumbia: ai gente, amo amo amo a música local, me conecta totalmente com tudo quando escuto a cumbia, gosto tanto da villera como da cheta.
  5. Flexibilidade nos trabalhos: pelo menos em 2 anos trabalhando aqui vejo o quanto é diferente trabalhar aqui e em São Paulo. Os trabalhos são mais flexisiveis, em todos os aspectos: roupas, horários, benefícios que contribuem para essa flexibilidade, ambientes mais tranquilos também e até os prazos.
  6. Parques: a grande maioria é super bem cuidado (mencionei grande maioria, porque não conheço todos rsrsrs). Além de serem bem cuidados (grama, monumentos, limpeza), são bem lindos.
  7. Vinhos: são excelentes e o preço super acessível. Você encontra em qualquer lugar um bom vinho e pode comprar a partir de 50 pesos (menos de 10 reais) com uma qualidade superior ao um que você encontraria no Brasil pelo mesmo preço. Obs: pode ser que você encontre por menos, porém...geralmente vejo vinhos com o preço começando a partir de 50 pesos.
  8. Eventos culturais: os eventos que participei achei todos incríveis, super organizados e muitos gratuitos, vale sempre dar uma pesquisada e se informar sobre o que vai rolar nos próximos dias. A oferta de eventos culturais é imensa, então aproveite! 
  9. Valorização dos músicos nos transportes públicos: quando uso o transporte fico maravilhada com a qualidade dos músicos que entram nos transportes e percebo que quase todos ajudam e valorizam o trabalho deles (reconhecendo monetariamente e batendo palma).
  10. Oferta de cursos e custo de estudar: esse item não poderia faltar, Buenos Aires tem uma oferta imensa de cursos gratuitos e pagos. Seja curso de linguas a cursos profissionalizantes, além dos preços serem super acessiveis. Ex: minha pós graduação eu pagava na mensalidade o valor de 1900 pesos x mes (+ ou - R$380,00), na universidade Uces.

Essas são as coisas que mais gosto em Buenos Aires, se você tem também uma listinha...compartilha comigo, vou amar saber a sua opnião.

Beijos Beijos


Bianca Bracho


9ON9: PROJETO FOTOGRÁFICO 2018


Oii Genteee!!
Antes de mais nada, desejo a todos os meus leitores, um Feliz Ano Novo!
Que 2018 seja o nosso ano, ano de muitas realizações e alegrias.

Começo de ano e lá vem as novidades do Blog... a grande novidade é um projeto fotográfico chamado 9on9.

Mas Bianca, o que é esse projeto 9on9?

O 9on9 é um projeto fotográfico que foi elaborado para a criação de conteúdo das blogueiras que fazem parte desse projeto, através da fotografia. Além de mim, outras 8 blogueiras estão participando desse projeto, onde cada mês desenvolveremos uma postagem sobre um tema, com fotos lindas e informações super interessantes para vocês. Esses temas estarão correlacionados com a temática de cada blog e serão divulgados todo dia 9 até o mês de setembro. Além disso, cada postagem contará com 9 fotos sobre o assunto.

No meu caso, vou contar para vocês sobre o meu verão aqui em Buenos Aires e os lugares que passarei o verão, acompanhe, porque esse mês farei uma viagem incrível para o Sul da Argentina. Farei um mochilão com uma amiga por todo o sul da Argentina, passando por paisagens de tirar o fôlego e realizando um grande sonho.

A próxima postagem sobre o meu verão sairá no dia 09.01

Não perca!!


Blogs participantes:

Alice Andrade - http://www.pensamentosvoados.com.br/
Dayane Frazão - https://intercachos.blogspot.com.br/
Joice Souza - http://espacodicas.com.br/
Ketlen Aires - www.ketlenaires.com
Marina Brum - http://www.caminhosparaoz.com.br/
Tatiana Souza - www.saltoebatom.com.br
Thais Oliveth - https://blogdathaoliveth.blogspot.com.br/
Thayama Matos - https://blogadaptadoo.blogspot.com.br/

Beijos Beijos

Dicas de como é ter um cachorro em Buenos Aires

Oii gente,
Muitos não sabem, mas vim para Buenos Aires com meu filho de quatro patas em 2015.
Decidi escrever sobre como é ter um cachorro aqui, contar um pouco sobre valores e conscientizar a todos que um dia adotem/comprem um cachorro ou animal de estimação.
Obs: A minha experiência é com um cachorro da raça Chow Chow, então vale lembrar que os valores e exemplos são baseados na minha experiência.
Ter um animal, não é tão simples como muitos pensam. Quando vim para Buenos Aires, li muito sobre os processos para trazer animais e bom o meu por ser considerado Branquicefalico, tive que fazer todo um processo para trazê-lo.


Animais branquicefalicos não podem viajar de avião, no meu caso, consegui com o meu despachante uma exceção e conseguimos que o Pupi viajasse de São Paulo a Porto Alegre de avião e o resto do caminho viemos de carro e barco.

Se você quer saber mais sobre como foi a nossa viagem segue o link:


Aqui em Buenos Aires é muito dificil encontrar casas/ apartamentos que aceitem animais, quando aceitam o preço sempre sai um pouco mais caro do que o normal. Além de que depende do tamanho do animal.

Banhos para cachorros:
Em San Telmo, que é o bairro que moro, você encontra a partir de 200 pesos, o único detalhe é que muitas vezes não secam bem o seu pet. Quando cheguei pensei que era uma boa pelo preço, mas um dia não secaram tão bem o Pupi e ele ficou com um probleminha na pele, começou a cair o pelo dele e tive que gastar muito mais em troca de ração, veterinarios e medicamentos.

Lugares recomendados:
Centro Pet: voce encontrará veterinarios, pet shop e banho.
Eu pagava por volta de 300 pesos.
Endereço: Avenida Cordoba,
Telefone: 011 4815-1788


Sweet Pet Shop Puerto Madero: pet shop e banho.
Endereco: Pierina Dealessi 1360
Telefone: 011 4517-8192
Obs: depois que o Pupi ficou com problema de pele, levei ele nesse pet shop, porque eles sao referencia no assunto, porém o valor é super acima da média. Um banho para Chow Chow sai 700 pesos.

Veterinaria Neko: Clínica veterinaria, banho, pet shop.
Endereco: Humberto Primo, 577
Telefone: 011 4300-9239
Um banho sai em média de 310 pesos, 2 vacinas importantes saem por 680 pesos.

Comidas:
Você encontrará diversas opções, eu quando cheguei dava Pedigree, Dog Chow, pelo preço. Que sai em torno de 500 pesos um saco com 15kg.
Pro Plan: 1250, 00 (15 kg)
Royan Canin: 1400 (15kg)
o site que utilizo para comprar, pois posso pagar no cartão de crédito é o seguinte:

Outra informação, pelo menos em San Telmo, você encontrará muitas lojas que vendem comida por kg, é uma boa opção quando a comida que você comprou esta quase acabando, mas não vale tanto a pena se o seu cachorro é grande e come muito hehhe

Vacinas:

O governo faz algumas campanhas e muitas vezes você consegue a vacina da Raiva gratuita, eu como acabei me esquecendo, paguei 340,00 pesos pela vacina da raiva e 340 pela vacina v6.

Passeadores:

Em média custa 50 pesos por dia, podendo ser passeios individuais ou em grupos.
Recomendo escolher algum que você já viu caminhando nas suas redondezas e que analise como ele trata os cachorros que cuida antes de solicitar os serviços.

Hospedagem para cachorros:

Existe um aplicativo que também é usado no Brasil e se chama Dog Hero, você consulta por região e preço. São pessoas que gostam de animais e você pode escolher uma pessoa através do aplicativo, solicitar uma visita para conhecer a casa da pessoa e combinar certinho. Os valores estão no aplicativo e você escolhe de acordo com a sua necessidade.
Os valores são de aproximadamente: 160 a 400 pesos. 


Minha dica pra você que esta lendo é que ter um animal, não é fácil, tem um custo alto, ainda que você compre a comida mais barata e que não leve no veterinario sempre. Animais demandam atenção, cuidados e amor. Não adquira um se você não possui uma vida estável, porque muitos acabam doando. Sempre vejo os animais como filhos, você doaria seu filho?
Se você não tem condições economicas, fisicas e emocionais de ter um animal, a melhor opção é não ter. E para aqueles que tem ou que pensam em ter, espero que minhas dicas tenham ajudado.

Em caso você que esta lendo tenha alguma dica sobre o assunto, me conta!

Beijos Beijos



Brasileiros pelo Mundo: Relato de um Brasileiro morando na Irlanda

Oi Gente, tudo bem?
Dessa vez, pedi para o Ari que esta fazendo intercambio na Irlanda nos contar um pouco sobre como esta sendo a experiencia dele lá. Leiam amigos, esse texto que ele escreveu foi escrito com muito carinho e espero que assim como ele, outras pessoas se permitam viver uma experiencia como a dele.


 

Primeiramente, quero agradecer de coração essa linda da Bianca que me convidou para escrever um texto sobre meus aprendizados aqui na Irlanda no blog dela, o qual eu acompanho direto. As histórias que ela conta são além de divertidas muito úteis pra quem pensa em morar fora do país. Dito isso, vamos ao que interessa!  

Cheguei na ilha esmeralda em agosto de 2017, mais precisamente no dia 03. Meu visto aqui é de cidadão NÃO EUROPEU, portanto ele tem a duração de 8 meses, sendo 6 meses de curso de inglês mais 2 meses de férias. Tal visto (stamp 2) permite-me ainda trabalhar por 20h semanais aqui na Irlanda. Se eu quiser, posso renovar esse visto por mais dois períodos de 8 meses: basta eu pagar um novo curso na escola, portanto o cidadão não europeu pode ficar por aqui estudando inglês por três períodos de 8 meses, totalizando 24 meses, ou seja, dois anos. Após esse período, você ainda pode ficar na Irlanda, mas para ficar legalmente terá que aplicar algum curso universitário por aqui. Pra ser sincero, não sei muito bem esses detalhes, mas isso é o básico.  


Bom, chega de regrinhas burocráticas. É hora de falar um pouco sobre minhas sensações e aprendizados até agora por aqui. Acho que o mais fácil e menos entedioso para o leitor é fazer uma lista do que está rolando aqui. Lembrando que essas aqui são MINHAS SENSAÇÕES. Obviamente, são diferentes das outras pessoas. Ainda bem, né? 
1) "O que eu fazendo aqui?" - Essa foi a minha primeira pergunta assim que o avião pousou em Dublin, em 03 de agosto. Após 11h de voo de SP para Frankfurt, escala de 4h e outro voo de 3h pra Dublin, finalmente cheguei na capital do país e eu juro que se tivesse um voo de volta pra SP ali na hora eu pegaria (kkkkkk!). A sensação foi de estar literalmente entrando numa fria (e olha que eu cheguei no ápice do verão por aqui – leia-se ápice do verão uns 15 graus!)  
2) "Comemore as minúsculas vitórias" - Quando iniciamos uma jornada dessa, cada coisinha que dá certo no começo é motivo de QUASE SOLTAR FOGOS de tão feliz/aliviado que você fica. A minha primeira sensação assim foi quando eu passei na ATERRORIZANTE IMIGRAÇÃO do aeroporto e em seguida minhas malas estavam ali e não haviam sido extraviadas! Juro por deus que depois dessas pequenas vitórias, se eu pudesse eu faria até um discurso na ONU saindo do aeroporto. Mas, falando sério: as pequenas vitórias no começo do intercâmbio te dão muita confiança e é engraçado porque ao mesmo tempo você quer voltar pra sua casa no mesmo instante. Pelo menos comigo foi assim. 
3) "Parece pouco, mas não é" - Cheguei, passei na imigração, peguei as malas e encontrei o cara do transfer que me levou pra Bray (cidade onde moro, estudo e trabalho atualmente e que fica a 40 minutos de Dublin). O transfer me levou até a residência estudantil que foi contratada por duas semanas, ou seja, eu tinha 14 dias pra encontrar uma acomodação fixa. Aí que entra o título da lista: parece pouco tempo, mas não é. Assim que cheguei, foquei nesse objetivo. Entrei nos sites de aluguel aqui da Irlanda e comecei a mandar email pra todo mundo (com a ajuda do google tradutor...hehehe). Até que uma mulher me respondeu e alguns dias depois, ELA ME LIGOU! Que desafio filha da mãe você ter que ATENDER O TELEFONE de alguém em outro país. Quando o telefone tocou, eu pensei QUEM TÁ ME LIGANDO AQUI, CARAMBA!? Eu tinha duas opções: rejeitar ou aceitar. Eu aceitei e era a mulher da casa que estou até hoje agendando uma visita. Eu não entendi 5% do que ela disse, mas acabou dando certo. Aqui o item  2 e 3 se misturam: comemore as minúsculas vitórias e parece pouco, mas não é, ou seja, 'passei no teste do telefone', que parece pouco, MAS NÃO É! Hehehe! 
4) Nível de inglês - Eis um tópico importante. Eu cheguei na Irlanda com um nível um pouco acima do básico, então eu consegui SOBREVIVER nos primeiros dias. Hoje, estou no intermediário e o idioma está mais natural pra mim. Acho importante chegar aqui com um POUQUINHO QUE SEJA de inglês. Meu nível era praticamente 0 no começo de 2017. Assim que eu fechei o pacote no começo do ano, eu decidi estudar sozinho em casa antes de viajar. Comecei a ouvir rádio irlandesa durante quase todo o dia. No trabalho, no banho, em casa, na janta. Sempre conectado na RTE Radio 1 (principal rádio irlandesa). Eu fiz isso TODOS OS DIAS durante uns 5, 6 meses e um mês antes de eu viajar eu fiz aulas com professores estrangeiros através do SKYPE pelo site ENGOO (recomendo! É bem legal!). Isso me ajudou MUITO mesmo. É claro que tem gente que é maluca e vem aqui com 0 de inglês (haha!), mas ter um pouquinho de entendimento do idioma assim que eu cheguei me deixou um pouquinho mais confiante.  


5) Brasileiros na Irlanda – SIm! Tem bastante! Mas bastante mesmo! Bray tem pouco mais de 30 mil habitantes e não é raro você ouvir um português pelas ruas. Mas, relaxa parceiro (a). Estou falando disso porque essa questão do número alto de brasileiros no país poder afetar seu aprendizado era um dos meus medos também. Cheguei aqui com isso na cabeça: EVITE OS BRAZUCAS! Se eu pudesse dar uma dica hoje, falaria o contrário: FAÇA AMIZADES COM BRAZUCAS! AJUDE BRAZUCAS RECÉM-CHEGADOS! Fica tranquilo que seu aprendizado não vai ser afetado. Na minha sala atualmente, estamos em 6 brasileiros e mais 7 gringos, ou seja, AQUI EM BRAY TEM BRAZUCA pra caramba também, mas fica tranquilo que isso não atrapalha. Pelo contrário! Pode confiar. Consegui meu trabalho atual por indicação de um brother brasileiro, então relaxa. Você vai fazer amigo brasileiro e amigo gringo também 
6) Saudades do Brasil – Lembrando aqui novamente que se trata de sensações minhas. Dito isso, eu tenho bastante! Muita saudade daquela 'zona lá'. É o que eu falo pra todo mundo que me pergunta porque eu não irei renovar o curso. Pra mim, essa experiência aqui está sendo mais como um 'período sabático', pra recarregar energias e também conhecer o mundo. Estou priorizando viagens pela Europa (VIAJE SEMPRE!) e tenho um mochilão planejado pra fevereiro assim que acabar meu curso. Mas, voltando ao tópico: sinto saudades todos os dias do Brasil, do clima, da família, dos amigos, de ir nos jogos do tricolor paulista, enfim. Da minha vida 'enraizada' de lá. Nada contra quem vem pra ficar de vez ou quem vai renovar todas as vezes possíveis. Pelo contrário! Eu admiro essa galera meio 'desapegada' daquela 'zona lá', que eu descobri que eu amo demais só quando eu saí dela, apesar dos trocentos mil pesares que temos no Brasil, não é mesmo? 
7) Trabalho Esse era outro monstro de 7 cabeças! Eu pensava: 'Jesus! Como eu vou arrumar trabalho em outro país sem falar a porra da língua dos caras direito?'. Mas após passar o primeiro mês, uma colega brasileira (outra ajuda de BR) indicou-me um aplicativo chamado 'Job SearchIndeed'. Vc cadastra suas informações, filtra suas buscas de trabalho (eu coloquei cleaner e kitchen porter) e a partir daí você aplica para as vagas através do aplicativo. Eu sei lá o que acontece, mas pelo jeito os empregadores devem olhar primeiro esse APP. Eu não entreguei nem 10 currículos aqui, mas já trabalhei em 3 lugares sendo que dois serviços foram alcançados através do APP, fora mais três que eu DISPENSEI FAZER ENTREVISTA porque estava empregado. Então, relaxa também porque trabalho TEM SIM! E eles aparecem na hora certa! Confie! 
8) Dar valor, de fato, a muitas coisas – Mesmo no Brasil, sempre procurei dar atenção pra galera que faz o 'trabalho sujo', como faxineiros – o 'tio' da limpeza –, pessoal que trabalha na cozinha, na montagem de eventos, entre outras DIGNÍSSIMAS atividades. Aqui na Irlanda, trabalhei e trabalho diretamente com isso: limpei banheiros de um prédio comercial em Bray e atualmente revezo faxina em uma escola e também atuo famoso kitchen porter ( o famoso auxiliar de cozinha) em um restaurante perto de Dublin. Dito isso, eu preciso passar alguns recados pra quem tá lendo: NÃO SUJE O LUGAR QUE VOCÊ ESTÁ DE GRAÇA! Às vezes, acontece de sujar sim, mas não seja o FDP de sujar 'propositadamente' tendo o pensamento escroto de que 'tem gente que limpa'. Não é assim não, fera! E, em segundo lugar, COMA A COMIDA INTEIRA QUE VOCÊ PEDIU no restaurante! Eu trabalho numa cozinha very busy aqui e é incrível a quantidade de comida INTEIRA que se joga no lixo porque o fresco ou a fresca não quer mais comer. TEM QUE COMER TUDO SIM! Muita gente nesse mundo passa fome, caramba! Se você tem a sorte e a benção de poder ir num restaurante comer, não desperdice essa sorte que a vida te deu. Pronto! Desabafo feito! 
9) Viagens – Como eu disse, essa é a minha grande prioridade nesse intercâmbio! Até agora, em pouco mais de quatro meses, eu fui pra Alemanha na Oktoberfest e passei uma semana na Noruega, o lugar mais incrível que eu já fui na vida e em fevereiro vou viajar por uns 14 países antes do meu retorno pro Brasil. Gente, outra dica: VÃO CONHECER O MUNDO! Aqui é fácil! Tem passagem de 10, 12 euros pra Londres, Amsterdã, Paris, etc. São três verbos simples pra fazer seu sonho virar realidade: PLANEJE! PRIORIZE E VÁ! Quando eu digo priorizar quero dizer que já deixei de sair pra muita baladinha aqui pra economizar o 'suado' dindin que a gente ganha limpando chão, tirando lixo e esfregando prato. Aí vai de cada um! Mas, eu aconselho: VIAJE! Faça um esforço ali, deixe de tomar aquela PINT acolá e VAI VIAJAR. Estando aqui na Europa, tudo fica mais fácil! 


Acho que é isso, pessoal! O aprendizado segue! E de tudo, viu?! Como um brother brazuca daqui diz: 'o que a gente menos aprende aqui é inglês'. E é verdade! Parece que a frase é meio desanimadora, mas não é não! Eu ainda tenho mais três meses de intercâmbio e tenho certeza de que todas minhas futuras ações serão pautadas diante de todas as experiências que eu vivi aqui. Às vezes, essa ilha verde aqui é meio 'durona' com a gente, mas tenha certeza que isso é pro meu, pro seu e pro nosso bem! BAITA EXPERIÊNCIA! Obrigado se você leu até aqui! :)  


 
Se você assim como o Ari, tem interesse em compartilhar sua história, ficarei muito feliz em compartilhar.
Beijos Beijos




Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *